domingo, 10 de maio de 2009

Olhando para o boneco


Ao ver este pato lembrei-me da minha infância quando ía para a praia e para eu não me perder a minha mãe colocava uma bóia sobre o pau do toldo que estivesse mais próximo.
Aqui é onde mora a família Dias a julgar pelo nome que está na placa mas basta só procurar pelo boneco...

7 comentários:

Anónimo disse...

Memórias de um passado
Hoje, uma doce recordação
Lembrança dos que partiram
Mas, moram no nosso coração.

bell disse...

Uma óptima lembrança, muito útil, principalmente se as portas forem todas iguais.

Kruzes Kanhoto disse...

É que isto existem dias e dias...

Teresa Queiroz disse...

quando era pequene e íamos todos para a praia, a minha mãe dizia para quem se perdesse fosse para junto da bandeira... um dia estava eu a sair dali da barraca muito decidida
e a minha mâe perguta:
onde vais Teresinha.... ?
eu: Perdi-me !

LUA DE LOBOS disse...

esse patinho é uma ternurinha :)
Oh Teresa essa é mesmo gira!!!!
xi
maria

Natália Augusto disse...

Curioso! Quanto mais o tempo passa, mais evocamos as memórias de infância. Aliás, costumamos até mitificála e considerá-la a idade de ouro, o nosso Éden.

A maioria, por causa desse distanciamento, tende a associá-la à felicidade plena. O que não deixa de ser verdade.

Hoje foi a tua vez de a trazer para o teu blogue! Gostei muito.

MagyMay disse...

Independentemente das lembranças (e é tão bom recordar o que nos encantou...) o patinho no puxador da porta está uma ternura!