quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Poesia à solta

Foto tirada em Alfama

3 comentários:

Anónimo disse...

O guarda-rios, bate as asas
Na água fresca se vai banhar
Ali é o seu habitat
Os Rios têm de preservar

"Estas aves são no entanto ameaçadas pela redução de habitat, poluição dos rios e envenenamentos por pesticidas"

Ana disse...

É verdade, e é menos difícil guardar um ribeiro...mas mesmo assim, só povoado de silêncios!

Natália Augusto disse...

É bom que a poesia ande à solta pela cidade. Talvez sensibilize os insensíveis, que são muitos nos tempos que correm.

O rio que habita o poeta será o Tejo? Ou serão as suas memórias de um rio de infância que já não existe?

Foto muito oportuna.

Beijos