terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Parado no tempo...


3 comentários:

joana disse...

Tudo que na terra nasce
Um dia tem de morrer
Até um velhinho barco
Na margem a apodrecer

É a Lei da renovação
No universo a comandar
Para haver modernidade
Há sempre algo a findar

Moribundo, perto do rio
Que tantas vezes vencera
Mas com o correr dos anos
Sua beleza e força perdera

As areias foram a sua cama
O luar a as margens o seu lar
Agora que vai morrer
Nas águas quer terminar

Com caruncho e esburacado
Triste, vai murmurando
Rio manda tuas águas me buscar
Para nelas mergulhar, e agonia acabar

Escrito com o coração 16/12/2008
Autora: A própria
Todos os meus poemas são oferecidos a este blogue
São originais, e não plagiados

Tiago R Cardoso disse...

o amigo tem olho para a foto.

mais um belíssimo momento.

Baby disse...

Parado no tempo e cansado de esperar por alguém que nunca voltou...Assim é na vida, também, por vezes...
Obrigada por gostares de poesia.
Bjs.